19/05/16 | 16:08
Sem prevenção adequada, uma ida à manicure pode resultar em hepatite

Em alusão ao Dia Mundial da Hepatite, dia 19 de maio, o Serviço de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do Município de Manaus (Manausmed) promoveu ação informativa aos segurados, na manhã desta quinta-feira, no salão de guichês da subsecretaria. A enfermeira Graça Pinto, do Distrito Sul de Saúde, ministrou palestras e aproveitou o momento para esclarecer as dúvidas dos presentes sobre a doença.

“É preciso atentar para os perigos da hepatite. Em alguns casos ela é silenciosa, e quando surge, é para matar”, alertou a profissional de saúde, enquanto esplanava sobre os diversos tipos da doença e as formas de contágio de cada uma. “Sempre será melhor prevenir do que remediar, seja com a vacina ou evitando coisas e situações que a transmitam”, disse.

Segundo a enfermeira, a hepatite A é causada pelo vírus e pode ser transmitida pela ingestão de água ou alimentos contaminados. A falta de higiene é determinante no processo de contágio desta forma de doença. O tipo B da doença pode ser transmitida, inclusive, de mãe para filho. “A mãe, na maioria das vezes, não se cuida ou atenta para a importância da vacina. Depois a criança nasce toda amarelinha e ela não entende o porquê”, alertou.

Graça advertiu, ainda, para a gravidade da Hepatite tipo C. Segundo a enfermeira, essa é a pior de todas por ser silenciosa e surgir apenas em estágio final. “É ilusão achar que a hepatite só é transmitida sexualmente. A C, a mais perigosa de todas, pode ser transmitida em uma simples ida ao salão de beleza. Isso porque, se a pessoa não tiver seu próprio material de manicure, ela pode pegar hepatite com equipamentos que vão desde a pinça de sobrancelha ao palito de remover esmalte da unha”, alertou.

De acordo com Graça, para evitar esse tipo de contágio, o ideal é se manter vacinado, no caso da Hepatite A, e tomar os cuidados de prevenção básicos no dia a dia. Por ser uma doença silenciosa, fazer o exame ainda é a melhor saída. “Existem Unidades Básicas de Saúde (UBSs) que realizamos uma vez por semana, exames rápidos. Após uma entrevista e uma simples coleta de sangue, ela já é informada se tem hepatite ou não. Esses testes estão disponíveis para maiores de 18 anos. Os menores precisam da companhia de um responsável”, concluiu.