31/05/16 | 17:11
Segurados Manausmed são conscientizados quanto aos componentes nocivos do cigarro

São poucos os que sabem ou se atentam para os reais ‘venenos’ que levam à boca quando tornam-se fumantes. O cigarro, que já foi motivo de orgulho e objeto de moda, há anos têm apresentado as consequências graves e fatais de sua composição. O alerta foi dado pelo profissional de saúde, Pedro Brito, nesta terça-feira (31), Dia Mundial Sem Tabaco, aos segurados presentes nos guichês de atendimento do Serviço de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do Município de Manaus (Manausmed).

“O cigarro que o fumante põe na boca contém a mesma acetona que as mulheres utilizam para remover esmaltes; o mesmo formol que conserva cadáveres; a amônia utilizada para desinfetar pisos. A naftalina que você usa para matar baratas em casa e o fósforo P4/P6, usado em venenos para ratos, também estão no mesmo produto. Os efeitos de todos eles juntos são os piores”, explica.

Segundo Brito, mais de 50 doenças são relacionadas ao cigarro. Os riscos de câncer de pulmão, por exemplo, é cinco vezes maior em fumantes do que em não-fumantes, enquanto o perigo de derrame cerebral é dobrado em quem opta pelo cigarro.

“Os efeitos de quem para de fumar são imediatos. Apenas 20 minutos depois de fumar, a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal. Duas horas depois, não existe mais nicotina circulando no sangue e oito horas após, o nível de oxigênio se normaliza. De cinco a dez anos sem fumar, o risco de infarto será igual ao da pessoa que nunca fumou”.